sábado, 25 de abril de 2009

Viva o "Vossa Excelência"


Essa semana o Brasil presenciou uma cena que tem se tornado bem comum no cenário do STF. Uma discussão bastante belicosa entre dois Ministros do Supremo trouxe à tona um ponto de reflexão a nós cidadãos brasileiros: qual a imagem que se pode ter do maior Tribunal de Justiça da Nação?
De um lado da discussão se viu o atual Ministro do Supremo, Gilmar Mendes – jurista esse de integridade questionável e de merecimento do atual cargo mais questionável ainda, cujos discursos costumam ser pobres e falhos, como foi a sua palestra aqui em São Luis sobre o Sistema Prisional Brasileiro. Para quem não se lembra, o Excelentíssimo Ministro foi quem mandou soltar Daniel Dantas sobre a justificativa de que não haviam provas do cometimento de algum crime pelo mesmo, mesmo depois de ter ido ao ar, pelo Jornal Nacional, uma reportagem que mostrava a gravação de uma conversa em que Dantas tentava subornar com 1 milhão de reais, um Delegado Federal.
Do outro lado do “circo judiciário” se encontrava o Ministro Joaquim Barbosa – o único Ministro negro do País, cuja Revista Veja tratou de intitular como sendo um “negro de alma branca” devido aos seus hobbys e costumes, bem como a sua formação intelectual e a capacidade de aprender novos idiomas. O Ministro Joaquim também ficou conhecido por ser considerado um “jurista de peito”, por ter sido o autor das denúncias do escândalo do tão famoso mensalão, dentre outros assuntos polêmicos que o pôs na mídia.
A discussão que se mostrou de cunho completamente pessoal, gerou um clima de tensão na Suprema Corte e foi alvo de várias críticas, depois de ser divulgadas pelos veículos informativos existentes. Ali, Joaquim Barbosa fez uma séria acusação contra o Presidente do Supremo; o de não ser um Ministro digno de seu cargo e o de estar difamando a imagem do Judiciário brasileiro.
Verdades à parte, o que realmente me entristece nisso tudo é a repercussão que um espetáculo desses acaba por gerar. Ora, se um próprio colega de trabalho é capaz de fazer tais afirmações em pleno julgamento, que podemos nós, pobres e leigos cidadãos, pensar e esperar da nossa justiça? Como pode tal órgão ter credibilidade entre o seu povo, se os nossos juristas não nos passam segurança?
Eu, particularmente, acho que apesar de não ter passado da mais pura verdade tudo aquilo que foi falado pelo Barbosa, não creio que ele tenha escolhido um bom lugar para tratar de assuntos pessoais; sim, pessoais, pois que todas as palavras desferidas contra o Gilmar o alfinetavam pessoalmente, e não como Ministro em si. A partir do momento em que se fala mal do Presidente do Supremo, se está diretamente falando mal da Suprema Corte, e isso é preocupante. Além do mais, tenho sérias dúvidas se essa situação não foi causada pelo Barbosa com intenções de se auto-afirmar como um “Jurista de peito”, revelado pela mídia.
Mas o melhor de tudo, foi ver como são classudos os nossos Ministros. Apesar da tensão entre eles, o “Vossa Excelência” em nenhum momento deixou de ser utilizado, mesmo quando para difamar um colega de trabalho e uma figura importante do cenário jurídico-político nacional.
Como já disse uma vez: é nessas horas que eu teria orgulho de vestir a camisa Argentina!


Alanna Sousa



Link do vídeo da discussão: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1011207-7823-GILMAR+MENDES+BATE+BOCA+COM+O+MINISTRO+JOAQUIM+BARBOSA,00.html

Um comentário:

Leandro Assen disse...

O ponto positivo da briga das excelências é que me fez lembrar que ali ha humanos... E não “deuses oniscientes”...